Ravignan, François de

Engenheiro agrónomo, ex-investigador do Institut National de la Recherche Agronomique (INRA), trabalhou durante muito tempo nos países do Sul. É autor de um grande número de obras, quase todas relacionadas com o tema da fome. É um homem do terreno e de convicções. Retomando o famoso e gasto provérbio do desenvolvimento «Mais vale ensinar a pescar do que dar peixe», responde que quem tem fome no Sul não tem que aprender a pescar - porque já sabe - ao contrário das pessoas do Norte. Pelo contrário, muitos necessitariam que não os impedissem! As dificuldades alimentares são nesta perspectiva o resultado de uma tripla exclusão dos campesinatos mais pobres: exclusão da terra, do trabalho e do mercado.
Ao longo deste pequeno livro, o autor desenvolve a mesma ideia: a fome não é um problema técnico. «Em todos os tempos e em todas as latitudes», escreve, «a miséria e a fome crónicas, quando existem, são devidas acima de tudo à privação de trabalho ou de meios para arranjar trabalho.» Quem não trabalha não come porque não tem rendimentos. O mito do progresso técnico e a crença na rentabilidade financeira levam a um impasse social e ecológico. E não apenas no Sul.
Duas brochuras da FAO, cuja divisa latina é, lembremo-lo, Fiat Panis (literalmente «haja pão»), apresentam elementos de reflexão sobre a fome no mundo. O L'état de l'insécurité alimentaire dans le monde 2003 – O estado da insegurança alimentar no mundo em 2003 – faz o ponto de situação dos esforços empreendidos a nível mundial e nacional para atingir o objectivo fixado pela Cimeira Mundial da Alimentação de 1996 de reduzir para metade até 2015 o número de pessoas que sofrem de fome crónica no mundo. A segunda brochura, Programme de lutte contre la faim – Programa de luta contra a fome – expõe as medidas a tomar como prioridade nos países e a nível internacional. Um dos capítulos intitula-se Combattre la faim pour réduire la pauvreté – Combater a fome para reduzir a pobreza. Ideia que F. De Ravignan contestaria certamente, afirmando o inverso; reduzir a pobreza dando trabalho para combater a fome.

...................................................................................................

 Porquê a Fome?